Torneio Tiradentes na GXBG
do MogliChess por
 
E/D: Adolfo Vallejos, Vinicius Saito, MF Ivan Nogueira, Alexandre Simoni, Gianni Baraldi e Rubens Freitas. Fotos: GXBG.

Prestigiei mais um torneio na Galeria de Xadrez Borba Gato, desta vez vencido pelo MF Ivan Nogueira, seguido de Alexandre Simoni, Adolfo Vallejos e Vinicius Saito. Meus amigos Diogo “Ninja” Nakazawa de Lima (5º) e Vitor de Lima Quaia (32º) também estiveram presentes, assim como muitos outros que já posso considerar como habitués da Galeria: Gianni Baraldi (campeoníssimo da categoria Sênior), João Batista Dias (meu carrasco, sempre me tira um pontinho importante), Bronislaw Tondowski (o “mestre polaco”), Valdinei Fialho (um adversário freqüente, contra quem tenho pequena vantagem até aqui), entre outros que aos poucos vou identificando, afinal estou há menos de 2 meses na capital paulista. Foram no total 37 jogadores, que se enfrentaram num suíço de 8 rodadas, ritmo 10 KO. Fui mediano, como quase sempre, obtendo 4 pontos e a 17ª colocação. Veja a classificação final no site do Borba Gato: http://www.gxbg.com.br

Aproveitaram-se da nobreza do Chapolin
Nosso amigo “Chapolin” (Estácio Limberg) preferiu tentar a sorte no fortíssimo torneio de Botucatu, que teve como campeão o MI Cícero Braga. Infelizmente, aproveitaram-se da nobreza do “Vermelhinho” e ele fez apenas 3 em 6, terminando no 66º lugar de 164 jogadores. Esse “apenas” é relativo, uma vez que muitos fortes jogadores fizeram pontuação semelhante e porque sei da força de jogo dele e que seria capaz de muito mais. Uma pena. Para compensar, um outro amigo, Jefferson dos Santos Oliveira, mandou muito bem e terminou no 9º lugar, com 5 pontos!

Decisão polêmica, mas Melo acertou de novo

Comentei em crônica anterior sobre um incidente ocorrido em partida minha no Torneio de Páscoa na mesma GXBG, na qual o árbitro Sérgio Melo, diante de um impasse e na impossibilidade de conferir qual dos jogadores dizia a verdade, decidiu-se pelo empate, numa decisão acertada, conforme pude confirmar junto ao amigo AI Mauro Amaral. Um novo incidente ocorreu, desta vez envolvendo dois jogadores até então desconhecidos para mim mas que pareciam velhos amigos. Eles bateram boca e quase foram além das acusações verbais devido a uma situação de difícil solução para a arbitragem, mas que, mais uma vez, teve a decisão correta do Melo, segundo me informei com os meus amigos árbitros auxiliares oficiais da CBX Moisés Arruda e Christian Avgustopoulos e novamente a confirmação inquestionável do AI Mauro. Ocorreu que um dos jogadores anunciou mate, porém o adversário alegou que acusou a queda de seta antes, havendo “testemunhas” a favor de ambas as partes. Melo didaticamente informou que nesses casos o mate prevalece e assim o fez. Para felicidade de todos e bem geral do torneio, prevaleceu a amizade e o desentendimento momentâneo foi superado.

Vencendo uma lenda

Ele é um remanescente de uma geração lendária do xadrez brasileiro, que inclui Márcio Elísio de Freitas, Antonio Rocha, Eugênio German, Souza Mendes, entre outros. Alguém que conheceu de perto monstros sagrados do xadrez mundial, como Smyslov. Campeão paulista por diversas vezes, vencedor de inúmeros torneios, ex-presidente da FPX e do CXSP. Lourenço Cordioli, apesar dos seus quase 90 anos de idade, ainda é um jogador ativo, a quem tive a honra de enfrentar no Torneio Tiradentes. A partida foi dura do início ao fim e já no apuro de tempo o velho mestre ficou ganho. Jogar com figura tão proeminente do xadrez brasileiro já era uma enorme satisfação, mas minha estrela brilhou um pouco mais e o tempo dele esgotou e venci a histórica partida.

Seniorkiller
Na comédia Ladykillers, traduzida como “Matadores de Velhinha”, 5 perigosos assassinos são vencidos por uma simpática e ingênua velhinha. Coincidente e curiosamente, muitas de minhas vitórias têm acontecido sobre jogadores da categoria sênior, o que talvez me torne um seniorkiller. Além do mítico Cordioli, minha lista de vítimas inclui: Hideo Suzuki, Giuseppe Caporale, Rubens Basso, Dante Honda e Ojars Laipnieks. Felizmente tenho tido melhor sorte do que os killer do filme, até porque meus adversários foram muitos simpáticos, mas não eram nada ingênuos.